“Vou disputar a prefeitura de Curitiba”, afirma Ducci

ducci_festa_15de3

Em conversa com a imprensa nesta terça-feira, 15, o deputado Luciano Ducci (PSB) reafirmou a vontade em disputar as eleições de prefeito de Curitiba.

“Tenho muita vontade de voltar à prefeitura de Curitiba. É uma eleição completamente nova, aguardo o processo de filiações e composição de chapas, para termos uma aliança forte para a disputa”, disse no ato de filiação de três deputados no PSB . Presidente do PSB de Curitiba, Ducci disse que a filiação de Luiz Cláudio Romanelli, Alexandre Curi e Jonas Guimarães representa um divisor de águas para o partido.

“O PSB sai muito fortalecido para eleger uma grande bancada de vereadores e fazer o maior número de prefeitos e vice-prefeitos. Temos organização e militância para isso”, afirmou. Sobre a crise política, Ducci defendeu novas eleições para presidente como melhor caminho para o país. “Reafirmo a posição do PSB pelo impeachment da Dilma e a cassação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha”.

Stephanes Junior assume mandato

O deputado Stephanes Júnior (ex-PMDB) assumiu nesta terça-feira (15) o mandato na Assembleia Legislativa em substituição ao deputado Artagão Júnior (ex-PMDB), que assume a partir de quarta-feira, 5, a Secretaria Estadual de Justiça. “Tive a oportunidade de ser colega dele na legislatura passada e não tenho dúvidas de que será um deputado combatente, em especial neste momento difícil do governo do PT, ao qual ele é um crítico”, disse Pedro Lupion (DEM). Stephanes e Artagão Junior devem definir até sexta-feira, 19, o destino partidário. Stephanes pode se filiar no PSB ou PSDB. Já o destino mais provável de Artagão é o PSB.

TRF-4 nega pedido de habeas corpus preventivo de Lula apresentado pelo PT

O desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, não aceitou um pedido de habeas corpus preventivo apresentado pelo diretório municipal do PT de Itaperuna, que tentava impedir futuras conduções coercitivas de Lula determinadas por Sérgio Moro. O PT também pedia a anulação do depoimento de Lula no dia 4 de março, em São Paulo, após a condução coercitiva. Na decisão, Gebran Neto não reconheceu o pedido feito pelo PT e afirmou que os próprios advogados de Lula, Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, desautorizaram outras pessoas que não eles próprios a apresentarem esse tipo de pedido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *