Barack Obama sugere que escolha de sede de Olimpíada foi arranjada

obama_olimpiada
Em entrevista para revista americana, presidente dos EUA conta como Chicago era a “melhor candidatura” e compara o COI à Fifa.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sugere que a escolha das sedes dos Jogos Olímpicos é manipulada e cria mal-estar no Comitê Olímpico Internacional. Numa entrevista publicada nesta semana na New York Magazine, ele não deixa dúvidas sobre o que pensa do COI e mesmo da Fifa. Seu ataque visa especificamente a escolha da sede de 2016, que acabou ficando com o Rio de Janeiro.

Obama foi um dos promotores da candidatura de Chicago, seu berço político e a cidade de sua mulher, Michelle. Em 2009, o COI escolheria quem ficaria com o direito de sediar os Jogos de 2016 e uma reunião em Copenhague levou ao pequeno país europeu o rei da Espanha, Juan Carlos, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Barack Obama, cada um servindo de cabo eleitoral para suas cidades.

Segundo Obama, um “comitê muito eficiente foi para Copenhague para fazer sua apresentação”. “Michelle tinha ido com eles e eu recebi uma chamada, acho que antes das coisas terem terminado, indicando que todos pensavam que se eu fosse lá, teríamos uma boa chance de conseguir e que valeria a pena essencialmente fazer um dia de viagem até la”, contou o presidente. “Assim, decidimos viajar”, completou.

“Subsequentemente, acho que fomos informados de que as decisões do COI são similares às da Fifa: um pouco arranjadas”, disse Obama. “Não passamos da primeira fase, apesar de que, por todos os critérios objetivos, a candidatura americana era a melhor”, afirmou.  Obama conta que, já no voo de volta para Washington, sua delegação sabia que Chicago não tinha vencido.

Suas declarações não foram bem recebidas no COI que, em 2017, prepara a escolha da sede dos Jogos de 2024. Três cidades estão no páreo: Los Angeles, Paris e Budapeste. Mas, longe das câmeras, os delegados do COI não disfarçam a empolgação com a possibilidade de o evento voltar à capital francesa, depois de cem anos desde a última edição.

Investigação. Mas os comentários de Obama também relançam a polêmica sobre como o COI escolhe suas sedes.  O Ministério Público Financeiro da França investiga desde o ano passado se o ex-presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) Lamine Diack recebeu propina em um esquema de votos para a escolha das cidades-sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e 2020.

Há indícios de que Diack recebeu € 1,3 milhão da organização japonesa supostamente para mobilizar votos em favor da candidatura de Tóquio para o evento de 2020. Como membro do Comitê Olímpico Internacional (COI), ele tinha ampla influência nos votos africanos. Diack ainda é suspeito de ter recebido comissões por pelo menos mais três eventos, todos eles de atletismo.

A investigação corre em segredo de Justiça no PNF em Paris. Três juízes de instrução comandam a apuração por crimes de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. A principal suspeita diz respeito a uma empresa de Diack, Black Tidings, suspeita de receber os recursos da propina.

Seu filho, Papa Diack, ainda teria organizado a distribuição de “pacotes” para seis membros do COI quando o Catar estava ainda na corrida para sediar os Jogos de 2016. Os dirigentes que iriam receber os presentes indicaram, em e-mails, que queriam que o pacote fosse entregue em Mônaco por meio de um “conselheiro especial”. As suspeitas dos franceses apontam para Papa Diack com o homem que faria a entrega.

Mas o Catar foi desclassificado antes mesmo de começar a votação, por propor os jogos fora das datas estabelecidas. Agora o que os fiscais de Paris querem saber é o papel de Lamine Diack nas votações das sedes do COI e para quem seu voto teria migrado com a exclusão do Catar.

Em 2009, quando o Rio de Janeiro venceu a corrida para sediar os Jogos de 2016, Diack declararia que o Rio “mereceu ser campeão”. “Acho que está correto que a Olimpíada mostre seu apelo universal indo para a América do Sul pela primeira vez”, afirmou então.
Membros do Comitê Rio2016 afirmam que Diack sequer fazia parte do entorno dos apoiadores da candidatura brasileira e que, na IAAF, a relação do Rio era com Sebastian Coe, o atual presidente da entidade de atletismo. Agberto Guimarães, um dos diretores da Rio2016, foi contemporâneo nas pistas de Coe e desenvolveu ao longo dos anos uma relação bastante íntima.

O Comitê Rio2016 já negou qualquer irregularidade e insiste que a vitória sobre Madri foi por uma ampla margem de votos, o que demonstraria que o projeto foi escolhido por muitos dirigentes.

Procurado, o COI afirmou que está “em contato com os procuradores franceses” desde o início do caso e que vai continuar assistindo os investigadores para “esclarecer qualquer suposto pagamento inadequado”. “O COI é agora parte civil no processo da Justiça francesa”, indicou a entidade em um comunicado ao Estado.

A entidade, entretanto, tem antecedentes negativos. Casos de corrupção e venda de votos foram revelados em relação aos jogos de inverno de Salt Lake City, em 2002.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *