Gestão da Saúde no Paraná servirá de referência para o Brasil

comitiva_pequeno_principe

Boas práticas de gestão do sistema de saúde do Paraná são exemplares e poderão ser adotadas em outros Estados. O assunto foi tema, neste domingo (15), nas visitas que o ministro da Saúde, Ricardo Barros, fez a Maringá e Curitiba. A vice-governadora Cida Borghetti acompanhou as agendas, onde estiveram também, o secretário da Saúde, Michele Caputo e o Deputado Federal Luciano Ducci.

“A escolha de Ricardo Barros para ministro da Saúde é uma honra para o Paraná. Estamos muito otimistas e temos boas práticas no Estado que podem ser levadas para o Brasil todo”, afirmou a vice-governadora. Em Maringá, a comitiva visitou as instalações do Hospital Municipal e, em Curitiba, o Hospital Pequeno Príncipe. O ministro explicou que está buscando exemplos de ações e programas para melhorar a gestão do Sistema Único de Saúde (SUS). “Comecei pelo Paraná, mas vou conhecer as boas práticas de aplicação de recursos da saúde em todo o Brasil para dar-lhes visibilidade, para que adotadas por outros gestores”, disse o ministro.

PEQUENO PRÍNCIPE – Fundado há 97 anos o Pequeno Príncipe conta com 32 especialidades médicas, 370 leitos, sendo 60 de UTI e é o maior hospital exclusivamente pediátrico do país. O ministro, a vice-governadora e o secretário da Saúde conheceram diversas áreas da instituição, conversaram com pacientes e acompanharam uma apresentação com dados e informações do Hospital, que destina quase 70 % da capacidade para o SUS e conta com 2 mil funcionários. As apresentações foram coordenadas pela diretora-executiva do Hospital, Ety Cristina Forte Carneiro, e pelo diretor corporativo José Álvaro da Silva Carneiro. “O hospital Pequeno Príncipe é referência na área da saúde infantil do Brasil. Conta com pesquisa, transplante, tratamento da oncologia pediátrica, enfim, várias referências positivas que podem ser levadas para o Brasil”, disse Cida Borghetti.

APOIO – O secretário Michele Caputo elogiou a estrutura do Pequeno Príncipe e reforçou o interesse do Governo do Estado em ampliar o apoio, inclusive com o financiamento da construção de uma nova estrutura. Michele destacou, ainda, programas do Paraná como o HospSus, que apoia com recursos hospitais públicos e filantrópicos do Estado, e sugeriu a volta dos mutirões para a realização de exames e cirurgias. “Aqui no Paraná realizamos 40 mil cirurgias eletivas através de um mutirão articulado em todas as regiões do Estado”. Também acompanharam a visita ao Pequeno Príncipe o ex-ministro da Saúde Luiz Carlos Borges da Silveira, e o deputado federal Luciano Ducci. 

MARINGÁ – Na manhã de domingo, o ministro e a vice-governadora estiveram no Hospital Municipal de Maringá. Barros reforçou que vai usar a tecnologia para melhorar a gestão dos recursos no SUS e evitar os desperdícios. Maringá possui um prontuário eletrônico integrado que pode servir de exemplo. “Ao informatizarmos um prontuário médico, por exemplo, evitamos um diagnóstico equivocado e distribuição de remédio inapropriado”, explicou. Barros quer ter informação online sobre a utilização de todos os recursos. “Vamos informatizar a gestão de saúde como Maringá fez. Quero o controle de cada centavo investido”, enfatizou o ministro da Saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *