Cármen Lúcia pede para ser chamada de ‘presidente’ em vez de ‘presidenta’

carmen_lucia_10de8
Ministra sucederá Lewandowski na presidência do STF a partir de setembro. ‘Sou amante da língua portuguesa’, disse, rindo, na sessão da quarta-feira (10).

A ministra Cármen Lúcia afirmou nesta quarta-feira (10), durante sessão do Supremo Tribunal Federal, que prefere ser chamada de “presidente” do STF em vez de “presidenta”, como fazia questão a presidente da República afastada Dilma Rousseff. Cármen Lúcia sucederá Ricardo Lewandowski na presidência do tribunal a partir de setembro. Em meio a um julgamento nesta quarta, Lewandowski passou a palavra à colega e perguntou:

“Concedo a palavra à ministra Cármen Lúcia, nossa presidenta eleita… ou presidente?” “Eu fui estudante e eu sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não é não?”, disse, rindo. “É bom esclarecer desde logo, não é?”, brincou Lewandowski. De acordo com o professor Sérgio Nogueira, autor do blog Dicas de Português no G1, as duas formas – “presidente e “presidenta” – são corretas.

Dilma
O termo presidenta foi inaugurado no vocabulário político brasileiro por Dilma, quando ela foi eleita para o primeiro mandato, em 2010. Na ocasião, ela passou a orientar funcionários e assessores para que a chamassem de presidenta. Ao fazer discursos, se referia a si mesma como “presidenta” e também ao mencionar presidentes mulheres de outros países ou instituições.

Desde então, os veículos de comunicação oficiais do governo, como a TV NBR, também passaram a chamá-la de “presidenta”. Documentos oficiais também vinham com essa grafia, e os servidores do governo também se referiam a ela como “presidenta”. O termo, costumava dizer a petista, dava ênfase à condição feminina da ocupante do cargo.

Eleição
Nesta quarta, os ministros do STF elegeram Cármen Lúcia para o presidência da Corte pelos próximos dois anos. Ela deverá tomar posse no próximo dia 12 de setembro, quando Lewandowski deixa o cargo. Na mesma sessão, foi eleito como vice o ministro Dias Toffoli. Atual vice no STF, Cármen Lúcia será a segunda mulher a comandar a mais alta instância do Judiciário e também o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle dos tribunais.

A primeira mulher presidente foi Ellen Gracie, que ocupou o cargo entre 2006 e 2008. A eleição nesta quarta formaliza costume da Corte de repassar a presidência, de dois em dois anos, ao ministro mais antigo, num sistema de rodízio. Cármen Lúcia foi eleita com 10 votos favoráveis e um contrário. Também é comum que o ministro que assumirá o a presidência vote em seu vice.
Após a proclamação do resultado, a ministra agradeceu aos colegas.

“Como fiz dez anos atrás, como fazemos todos, continuo e reitero meu juramento de cumprir a Constituição, torná-la aplicável e bem servir, me dedicar integralmente, nos termos da Constituição e das leis da República, a que o jurisdicionado brasileiro possa ter o melhor do que eu puder fazer no desempenho com a ajuda, claro, de todos os ministros”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *